Onda de furtos vira tormento para moradores em área rural de Campo Grande

Moradores irão encaminhar ofício à Sejusp pedindo reforço em policiamento na região

| DAYENE PAZ, CLEBER GELLIO E MARIELY BARROS / CAMPO GRANDE NEWS


Bandidos entram por telhado de fábrica desativada para furtar. (Foto: Marcos Maluf)

Morar na área rural e ter uma vida serena, de tranquilidade, era o sonho de um idoso de 77 anos e a família, que foi concretizado há um ano. No entanto, a vida de sossego virou um verdadeiro pesadelo por causa da onda de furtos nas últimas semanas. Na área de chácaras, que fica próxima ao rodoanel entre a saída de São Paulo e Sidrolândia, no Bairro Moradia do Sol, em Campo Grande, a insegurança toma conta.

'Morava na cidade e depois que me aposentei, queria ter sossego, mas de três meses para cá, virou um caos', lamentou o idoso. Ele conversou com a reportagem do Campo Grande News na manhã desta sexta-feira (13), mas preferiu não ter o nome divulgado por medo.

O idoso conta que mora com a esposa e nas proximidades, em outras duas casas, o filho e os sogros do filho. Segundo o relato, os furtos começaram após uma fábrica de refrigerante ser desativada. 'Esses dias entraram na casa dos sogros do meu filho, levaram botijão e tentaram levar uma máquina de lavar. A sensação de insegurança é muita, são constantes relatos de vizinhos que tiveram suas casas furtadas', afirma.

Imagens obtidas pela reportagem mostram a ousadia dos bandidos, que além de entrar nas residências, também acessam a fábrica desativada para furtar. Sem medo, eles saem em plena luz do dia carregando fios. 'Está insustentável viver aqui', relata o zelador de uma das chácaras, Donizete Mota Guedes, de 60 anos.

Donizete também mora na região com esposa e a sogra idosa há cerca de dois anos. Ele revela que há dois meses cortaram a cerca da propriedade. 'Em três pontos diferentes, mas acho que meus dois cachorros espantaram o autor. Ele não conseguiu furtar'. Donizete teme pela família e procura deixar os holofotes acesos, para que o local fique bem iluminado, o que acaba inibindo a ação dos criminosos, que procuram locais ermos.

A mesma sensação de insegurança é vivida pelo fazendeiro Alisson Almeida, morador na região há nove anos. Ele contou que o local sempre foi tranquilo, mas depois da desativação da fábrica, os ladrões começaram a invadir para furtar a fiação e o resto dos objetos que ficaram nos barracões da empresa. 'Depois, começaram os furtos nas residências. Levam qualquer coisa de valor.'

Alisson comenta que trabalha em sua fazenda, onde possui cachorros e câmeras de segurança. 'Acho que isso inibiu, porque aqui nunca entraram, mas já entraram em todas as fazendas vizinhas.'

Os moradores já fizeram ofício e encaminharão para a Sejusp (Segurança de Segurança Pública de Mato Grosso do Sul) pedindo medidas preventivas e policiamento na região. 'A gente chama a polícia e eles chegam duas horas depois. Nisso, os bandidos já foram embora com os produtos', lamenta.



Comentários

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE