Mau cheiro provocado por fezes de andorinhas gera prejuízo a comerciantes

Proprietários de restaurantes da região no Trevo Imbirussu falam sobre os prejuízos causados pela situação

| MARIELY BARROS / CAMPO GRANDE NEWS


Mesas vazias do estabelecendo familiar de Joveni Xavier. (Foto: Henrique Kawaminami)

Há pelo menos dois meses, os campo-grandenses que passam pelo Trevo Imbirussú, no Bairro Guanandi, observam no fim da tarde o pouso de centenas de andorinhas que passaram a utilizar três árvores como dormitório. Apesar do encantamento com as aves, o odor de fezes deixado pelos animais tem sido alvo de reclamações de comerciantes locais.

Joveni Xavier, de 56 anos, trabalha em frente ao Trevo há três anos, a mulher conta que vendia caldo de cana, salgados e marmitex no local. Nos últimos dois meses, Joveni, assim como os vizinhos comerciantes que trabalham com alimentos na região, viram suas vendas caírem drasticamente, o motivo seria pelo fato das pessoas não conseguirem comer com o mau cheiro deixado pelas aves.

“Minhas vendas caíram uns 60%', contabiliza. Para exemplificar o impacto, a mulher fala que, todos os dias, ia até uma conveniência comprar dois fardos de refrigerantes para os clientes consumirem no local, mas, atualmente, ela compra apenas uma caixa que tem durado oito dias. Ela também deixou de vender salgados, pois eles estavam estragando com a falta de clientes.

O caldo de cana que era chefiado pelo o esposo de Joveni também parou pela ausência da clientela. “Semana passada tive que jogar três fardos de cana fora porque eles estragaram, isso nunca tinha acontecido, já não tinha mais o que fazer. Os clientes chegam aqui e ficam até com ânsia de vomito com o cheiro, alguns reclamam e fico até com vergonha, mas não tem o que fazer', explicou.

Joveni termina dizendo que dentro do Trevo, havia um ponto de taxistas que se mudaram de local por conta do odor. Agora, o ponto foi para a Avenida Gunter Hans, que fica próxima ao Trevo. Já os mototaxistas que não conseguiram mudar de local por falta de espaço, evitam ficar esperando os passageiros no ponto. 'Quase não ficam ali e falam que só não mudam igual os taxistas, porque eles não têm para onde ir', disse.

Ao lado do ponto de táxi abandonado, Maria Madalena Pinheiro, de 42 anos, que lavava o comércio onde faz a venda de pizza e lanches, disse que joga água no espaço o tempo todo na tentativa de diminuir o odor. Ela que estava cuidando do ponto, que é da sua sogra, falou que não teria condições de ficar todos os dias trabalhando no local, porque em dias de chuva e sol, o cheiro é tão forte que incomoda ao seu filho de um mês.

'É insuportável, faz dois meses que aluguei o ponto e penso em me mudar', desabafou outra comerciante. Silvana Guimarães, de 28 anos, vende marmitex na rua lateral do Trevo e nos meses de trabalho no local, só conseguiu vender comidas para entrega, porque os clientes não se sentem à vontade para sentar nas mesas do restaurante para comer com o cheiro. Ela assume que tem dias difíceis até para ela ficar no estabelecimento.

Direto das Ruas - O relato e as imagens chegaram ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, meio de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99669-9563.

Clique aqui e envie agora uma sugestão. 

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos sejam feitos com o celular na posição horizontal.



Comentários

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE