IVINHEMA: Traficantes pegos em restaurante com carga de maconha tentaram destruir celular

Depósito funcionava em casa localizada no bairro Ecopark, em Ivinhema

| HELIO DE FREITAS, DE DOURADOS / CAMPO GRANDE NEWS


Os dois presos, a maconha e as armas na sede da Defron em Dourados (Foto: Divulgação)

Dois homens foram presos em entreposto do tráfico em Ivinhema, cidade a 283 km de Campo Grande. Eles foram flagrados com duas armas e quase uma tonelada de maconha.  Flagrados em um restaurante, eles tentaram destruir o celular, para não serem localizadas provas, segundo a polícia.

A droga trazida do Paraguai era armazenada antes de ser enviada para outros Estados em uma casa no bairro Ecopark.

A prisão dos traficantes ocorreu nesta quarta-feira (21) e foi divulgada hoje pela Defron (Delegacia Especializada de Crimes de Fronteira), que tem sede em Dourados.

Os policiais da Defron apuravam denúncia de que a casa estava sendo usada para armazenamento de drogas. Por volta das 10h30, as equipes cercaram o local e encontraram 822 quilos de maconha nos cômodos da casa.

Ninguém foi encontrado no local, mas os policiais tinham informação de que dois moradores tinham saído da casa em uma Toyota Hilux preta e estavam em restaurante da cidade negociando a venda do entorpecente.

Os policiais foram até o restaurante, onde os dois homens aguardavam os compradores. Quando viram a chegada da polícia, os dois suspeitos tentaram se livrar das armas que carregavam na cintura – um revólver e uma pistola. Um deles também quebrou o celular para tentar destruir provas de ligação com o tráfico.

Os dois negaram envolvimento com a maconha encontrada na casa, mas na caminhonete foi encontrado o contrato de locação da casa onde a droga foi apreendida. As chaves do imóvel também estavam na Hilux.

Além da caminhonete, foi apreendido um GM Onix pertencente aos presos. Eles foram autuados em flagrante por tráfico de drogas, associação para o tráfico e porte irregular de arma de fogo. O acusado que danificou o celular também foi autuado por fraude processual.



Comentários

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE