Câmeras gravaram homem atirando na casa de vereador na fronteira

Polícia ainda procura atirador; baleado no peito, filho de vereador continua internado

| HELIO DE FREITAS, DE DOURADOS / CAMPO GRANDE NEWS


Marcas de tiros nos portões da casa de vereador-pastor em Ponta Porã (Foto: Arquivo)

Câmeras de segurança gravaram o momento em que homem ainda não identificado disparou tiros em direção à casa do pastor evangélico e vereador Mauro Ortiz (PSDB), na noite de domingo (18) em Ponta Porã, a 323 km de Campo Grande, na fronteira com o Paraguai. Um dos tiros acertou o peito do filho de Ortiz, menino de 3 anos que está hospitalizado.

As imagens mostram o homem de boné passando em frente à casa, na Rua Zeferino Davilla, no bairro Marambaia. Em seguida ele retorna, tira a camisa e cruza a rua. Em frente à residência, dispara os tiros e some na escuridão.

Nesta terça-feira (20), o vídeo foi divulgado em rede social pelo secretário municipal de Segurança Pública de Ponta Porã, o vereador licenciado Marcelino Nunes de Oliveira.

As imagens desmentem informações divulgadas por alguns veículos de comunicação de que os tiros foram disparados quando Mauro Ortiz chegava em casa com a família.

No início da madrugada de segunda-feira, o Campo Grande News havia informado que o vereador, a esposa e o filho tinham acabado de chegar do culto e estavam dentro da residência no momento dos disparos.

Até agora não há pistas sobre o autor do atentado. Marcelino Nunes de Oliveira pediu que, em caso de alguma informação sobre o criminoso, a população deve fazer denúncia anônima à polícia ou à Guarda Civil Municipal Fronteira.

Entretanto, na linha internacional entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero (Paraguai), impera a lei do silêncio. A grande maioria dos crimes de pistolagem nunca é esclarecida justamente por falta de testemunhas.

O menino continua internado no Hospital Regional de Ponta Porã. A criança passou por cirurgia no início da madrugada de segunda-feira para retirada do projétil e o quadro é estável. O modo de operação indica que o atentado não foi obra do crime organizado presente na fronteira. Mauro Ortiz é pastor da igreja evangélica Nova Redenção da Fé.



Comentários

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE