Prefeitos debatem “lockdown” com secretário de Saúde

Número de contaminações voltou a crescer no Estado e está perto de atingir o pior período da pandemia em 2020

| TAINá JARA / CAMPO GRANDE NEWS


Prefeitos durante reunião na SES, nesta terça-feira (Foto: Ricardo Minela)

Medidas como o lockdown estão entre as debatidas na tarde desta terça-feira, entre a diretoria da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) e a equipe do secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende. A preocupação ocorre, pois o número de casos confirmados está próximo de atingir o pior período da pandemia, registrado em setembro do ano passado.

Participaram da reunião, os prefeitos Dalmy Crisóstomo, de Alcinópolis, e  Henrique Wancura Budke, de Terenos, representaram o presidente da Assomasul, Valdir Júnior, que cumpre agenda oficial em Nioaque, cidade que administra.  O diretor-geral da entidade, Rogério Rosalin, também participou do encontro.

Foram discutidas duas importantes pautas com o secretário e com a secretária-adjunta da pasta, Christinne Maymone: aquisição de vacinas diretamente pelos municípios, possibilidade no momento descartada devido a falta do medicamento, além de possíveis medidas restritivas contra a pandemia, como lockdown.

De acordo com Resende, a intenção do governador Reinaldo Azambuja é seguir a decisão tomada pelos demais estados, se houver consenso entre todos.

Dalmi falou sobre a dificuldade de adquirir o imunizante sem seguir o calendário vacinal. “O secretário nos informou que o governo federal baixou uma portaria proibindo a venda de todas as vacinas, de todos os laboratórios, para estados e municípios, então só quem pode fornecer é o Ministério da Saúde', explicou o prefeito de Alcinópolis.

Durante o encontro,  o secretário de Saúde sugeriu ainda que os municípios aguardassem mais um pouco para eventual tomada de posição com relação aos temas discutidos.

No próximo dia 8, o secretário agendou nova reunião com Assomasul para divulgar a atualização do programa Prosseguir, sistema do governo do Estado para monitorar a situação dos municípios durante a pandemia, e também passar informações a respeito da vacinação.

Durante entrevista coletiva nesta terça, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) voltou a pedir agilidade na liberação de vacinas contra a covid-19.

O chefe do Executivo cobrou ação do Ministério da Saúde. Segundo ele, a transmissão da doença está “violenta' e só a ampla vacinação da população vai pôr fim à pandemia de coronavírus no País.

Números - O boletim epidemiológico desta terça trouxe a confirmação de que já existem 183.105 pessoas infectadas pelo vírus em Mato Grosso do Sul. Somente nas últimas 24 horas foram registrados mais 1.124 novos casos.

Desse total de casos confirmados, 8.807 pessoas estão e tratamento. 8.156 estão em casa, em isolamento. Porém, 651 precisaram de internação. 345 ocupam leitos clínicos e outras 306 pessoas, que são casos mais graves, já ocupam leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Em termos diários, as confirmações de casos de covid-19 estão semelhantes ao dia mais crítico da pandemia, registrado em setembro do ano passado. As mortes bateram recorde em dezembro e as altas média se mantém.



Comentários