Operação “Malleus” foi realizada em Deodápolis, Jateí e Fátima do Sul, para prender 32 integrantes de facções criminosas

| ASSESSORIA / GAECO


Local onde ocorreu o confronto na rua Nenego Gratival, esquina com a APAE. (FOTO: WASHINGTON LIMA / FÁTIMA EM DIA)

Na manhã desta quinta-feira (11/2), o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, representado pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO), com o apoio da Diretoria de Inteligência da Polícia Militar, do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, deflagrou a Operação “Malleus” para dar cumprimento a 32 mandados de prisão preventiva e a 14 mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª Vara Criminal de Campo Grande.

Os alvos da operação são integrantes da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) que atuam em Campo Grande, Dourados, Ribas do Rio Pardo, Deodápolis, Fátima do Sul, Jateí, Caarapó e também no Estado do Ceará, praticando assassinatos, assaltos e tráfico de drogas ilícitas.

Parte desses alvos participa ativamente de “Tribunais do Crime”, como são chamadas pela organização criminosa as conferências realizadas para aplicação de punições a membros faltosos ou a integrantes de facções rivais.

No curso da investigação foi apurado que, durante estas conferências, além de ter sido debatido o assassinato de um Delegado de Polícia e de Policiais Militares, houve integrantes da organização que, por determinação de um dos alvos das ordens de prisão, sequestraram e executaram barbaramente uma jovem com golpes de picareta e com pedradas na cabeça, por acreditarem que ela poderia fazer parte do Comando Vermelho.

Operação “Malleus”

Foi dado à operação o nome de “Malleus”, em referência ao manual inquisitorial que previa formas de inquirição e castigos corporais severos, espécie de bíblia da caça às bruxas.



Comentários